Psicanalista, o artífice das palavras

uma reflexão a partir de três concepções do tempo

  • Felipe de Lima e Ferreira Universidade de Brasília-UnB, Brasília, DF, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1423-8322
  • Eliana Rigotto Lazzarini Universidade de Brasília-UnB, Brasília, DF, Brasil.
Palavras-chave: Psicanalista, Artesão, tempo, Formação

Resumo

O presente artigo visa estabelecer aproximações com o fazer do psicanalista e do artesão ourives no que tange às formas de vivenciar o tempo, suas respectivas formações e atividades. O tempo foi o eixo norteador do trabalho; usamos três concepções do tempo: tempo serial, tempo convivial e tempo de salto. Em seguida, articulamos esses modos de vivenciar o tempo com a duração das análises e a formação tanto do psicanalista como do artesão ourives. Ao final do artigo, fazemos algumas reflexões sobre a relevância da vivência do tempo de salto em momentos importantes para as duas atividades, do artesão ourives em momentos de criatividade e inventividade e do psicanalista na clínica, na formação e no processo de análise pessoal.

Biografia do Autor

Felipe de Lima e Ferreira, Universidade de Brasília-UnB, Brasília, DF, Brasil.

Graduação em Psicologia pelo Centro Universitário de Brasília. Mestrando em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília-UnB.

Eliana Rigotto Lazzarini, Universidade de Brasília-UnB, Brasília, DF, Brasil.

Professora adjunta do programa de pós-graduação em Psicologia Clínica e Cultura da Universidade de Brasília-UnB.

Referências

DE MASI, D. O ócio criativo. Rio de Janeiro: Sextante, 2000.

FREUD, S. (1905). Psicoterapia. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. p. 331-347. (Obras completas, 16).

______. (1913). O início do tratamento. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 162-192. (Obras completas, 10).

______. (1914). Recordar, repetir e elaborar. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 192-209. (Obras completas, 10).

______. (1919). Deve-se ensinar psicanálise nas universidades? São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 377-381. (Obras completas, 14).

______. (1937). Análise terminável e interminável. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 274-326. (Obras completas, 19).

______. (1937). Construções em análise. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 326-344. (Obras completas, 19).

JORGE, M. A. C. Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan, v. 3. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 2017.

RAAD, I. L. F. Atividades cotidianas e o pensamento conceitual. 211f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações. Rio de Janeiro: FGV, 1981.

PIMENTEL, D. Estudos de psicanálise, Aracaju, n. 34, p. 27-30, dezembro 2010.

SENNETT, R. O artífice. Rio de Janeiro: Record, 2009.

Publicado
04-12-2019
Como Citar
FERREIRA, F.; LAZZARINI, E. Psicanalista, o artífice das palavras. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 41, n. 41, p. 63-75, 4 dez. 2019.
Seção
Artigos Temáticos