Aparelho psíquico, memória e a noção de tempo nos primeiros textos de Freud

sobre as vicissitudes da linguagem

  • Dayanna Pereira dos Santos Instituto Federal de Educação de Goiás-IFG, Luziânia, GO, Brasil.
Palavras-chave: Aparelho psíquico, Linguagem, Memória, Tempo

Resumo

Este trabalho discute as implicações entre aparelho psíquico, memória e tempo nos primeiros textos da psicanálise considerando a noção do a posteriori evocada por Freud (1894) por meio do termo alemão nachträglich. Tal proposição exige uma reflexão sobre a noção de memória desenvolvida na Carta 52 (1896/1996) segundo a qual há diversos registros de memória nos quais um mesmo conteúdo, com o passar do tempo, poderia ser inscrito e transcrito conforme distintos princípios associativos da linguagem. Sob esse prisma, a memória possui como qualidade a não recuperação imediata de seu conteúdo, e disso advém uma apropriada autonomia com relação aos elementos da consciência.

Biografia do Autor

Dayanna Pereira dos Santos, Instituto Federal de Educação de Goiás-IFG, Luziânia, GO, Brasil.

Psicanalista – Mestre e Doutora em Educação, Universidade Federal de Goiás - UFG.

Docente do Instituto Federal de Educação de Goiás - IFG.

Membra do GT Psicanálise e Educação - ANPEPP.

Referências

FREUD, S. (1891). A interpretação das afasias. Lisboa: Edições Biblioteca 70, 1977.

______. (1893). Sobre o mecanismo psíquico dos fenômenos histéricos comunicação preliminares. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 2).

______. (1895). Projeto para uma psicologia científica. Rio de Janeiro: Imago, 1950. (ESB, 1).

______. (1896). Carta 52. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (ESB, 1).

_______ (1897). Carta 69. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (ESB, 1).

______. (1899). Lembranças encobridoras. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (ESB, 3).

______. (1900). A Interpretação dos sonhos. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (ESB, 4 e 5).

______. (1914). A história do movimento psicanalítico. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (ESB, 14).

LACAN, J. (1955-1956). O seminário, livro 3: as psicoses. Rio de janeiro, Jorge Zahar, 2010.

______. (1959-1960). O seminário, livro 7: a ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

______. (1968/1969). O seminário, livro 16: de um outro a outro. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

LAPLANCHE, J.; PONTALIS, J-B. (1988). Fantasia originária, fantasias das origens, origens da fantasia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1964.

LEITE, N. V. de A.; VORCARO, A. (Org.). Giros da transmissão em psicanálise: instituição, clínica e arte. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2009.

MORAES, M. R. S. Materna/estrangeira: o que Freud fez da língua. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, 1999.

Publicado
04-12-2019
Como Citar
SANTOS, D. Aparelho psíquico, memória e a noção de tempo nos primeiros textos de Freud. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 41, n. 41, p. 21-37, 4 dez. 2019.
Seção
Artigos Temáticos