Do traumático ao viver criativo

narrativas sobre psicanálise e Primo Levi

Palavras-chave: Psicanálise, Traumático, Primo Levi, Literatura de Testemunho

Resumo

O artigo contempla a investigação do traumático em narrativas testemunhais de Primo Levi. A proposta consiste em investigar e interpretar o traumático da obra Os afogados e os sobreviventes de Primo Levi, com aportes teóricos da Psicanálise. Os resultados apontam para uma profunda relação entre o traumático em psicanálise e a obra de Levi, observada na literatura de testemunho, da memória, do corpo e da criatividade. Conclui-se que a psicanálise tem muito a contribuir com a temática do traumático e literatura de testemunho através de sua perspectiva sobre aquilo que é traumático, no qual é encontrada uma dimensão lacunar e de impossibilidade, que a escrita testemunhal procura simbolizar.

Biografia do Autor

Bibiana Massem Homercher, Universidade Franciscana. Santa Maria, RS

Psicóloga. Residente em Saúde Mental da Universidade Franciscana. Santa Maria, RS, Brasil.

Silvio Augusto Lopes Iensen, Universidade Franciscana. Santa Maria, RS

Doutor em Psicologia pela Faculdade de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul (PUCRS). Professor Adjunto do curso de Psicologia da Universidade Franciscana.
Psicólogo Clínico. Santa Maria, RS, Brasil.

Referências

AGAMBEN, G. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha (Homo Sacer III). Tradução de Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

ANTONELLO, D. F. Testemunhar – Um modo de compartilhar o trauma. Ágora,Rio de Janeiro, v. XXII, n. 2, p. 180-189, maio/agosto, 2019. Disponível em:

<http://www.scielo.br/pdf/agora/v22n2/1809-4414-agora-22-02-180.pdf>. Acesso em: 26 abr. 2019.

BENJAMIN, W. (1936). O narrador - Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: ______. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed., São Paulo: Brasiliense, 1994.

BESSET, V. L. et al. Trauma e sintoma: da generalização à singularidade. Rev. Mal-Estar Subj., Fortaleza, v. 6, n. 2, p. 311-331, set. 2006. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/malestar/v6n2/03.pdf>. Acesso em: 26 abr. 2019.

BETTS, J. Trauma e testemunho – Considerações sobre o conceito de reparação psíquica diante da violência de Estado. In: ______. CLÍNICAS DO TESTEMUNHO RS e SC. Por que uma clínica do testemunho? Porto Alegre, Instituto APPOA, 2018.

BIRMAN, J. Corpo e excesso. In: ______. O sujeito na contemporaneidade: espaço, dor e desalento na atualidade. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

COUTINHO, Â. A escuta analítica, o corpo e a contemporaneidade. Tempo Psicanalítico, Rio de Janeiro, v. 40.2, p. 307-326, 2008. Disponível em: <http://www.spid.com.br/revistas/r40.2/05%20TP40.2%20-%20Angela%20Coutinho.pdf>. Acesso em: 28 set. 2019.

DANZIGER, L. Shoah ou holocausto: a aporia dos nomes. Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, outubro, 2007. Disponível em: <http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/maaravi/article/view/985/1094>. Acesso em: 26 abr. 2019.

FAVERO, A. B. A noção de trauma em psicanálise. Tese (Doutorado em Psicologia). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: <http://livros01.livrosgratis.com.br/cp123324.pdf>. Acesso em: 26 abr. 2019.

FELMAN, S. Educação e crise, ou as vicissitudes do ensinar. In: ______. NESTROVSKI, A.; SELIGMANN-SILVA, M. (Org.). Catástrofe e representação. São Paulo: Editora Escuta, 2000.

FERRARI, I. F. Trauma e segregação. Latusa, Rio de Janeiro, n. 9, p. 149-162, 2004.

FIGUEIREDO, L. C. Modernidade, trauma e dissociação. In: ______. Psicanálise: elementos para uma clínica contemporânea. São Paulo: Editora Escuta, 2008.

FREUD, S. (1920). Além do princípio do prazer. In: ______. História de uma neurose infantil (“O Homem dos Lobos”), Além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920). São Paulo: Companhia da Letras, 2010. (Obras completas, 14).

______. (1904). Carta 69: fragmentos de La Correspondência com Fliess. In: ______. Cartas a Wilhelm Fliess (1887-1904). Buenos Aires: Amorrortu Editores, 1986.

______. (1915). Considerações atuais sobre a guerra e a morte. In: ______. Introdução ao narcisismo, Ensaios de metapsicologia e Outros textos (1914-1916). São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Obras completas, 12).

______. (1893/1940). Esboços para a comunicação preliminar. Rio de Janeiro: Imago,1940. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 1).

______. (1939). Moisés e o monoteísmo. In: ______. Moisés e o monoteísmo, Compêndio de psicanálise e Outros textos (1937-1939). São Paulo: Companhia da Letras, 2018. (Obras completas, 19).

______. (1930). O mal-estar na civilização. In: ______. O mal-estar na civilização, Novas conferências introdutórias à psicanálise e Outros textos (1930-1936). São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Obras completas, 18).

______. (1908). O poeta e o fantasiar. In: ______. Arte, literatura e os artistas. Coleção Obras Incompletas de Sigmund Freud. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2015.

______. (1895). Projeto para uma psicologia científica. Rio de Janeiro: Imago, 1950. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 1).

______. (1914). Recordar, repetir e elaborar. In: ______. Observações psicanalíticas sobre um caso de paranoia relatado em autobiografia: (“o caso Schreber”): artigos sobre técnica e outros textos (1911-1913). São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

FREUD, S.; BREUER, J. (1893). Sobre o mecanismo psíquico dos fenômenos histéricos. Rio de Janeiro: Imago, 1974. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 2).

IRIBARRY, I. N. O que é pesquisa psicanalítica? Ágora, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 115-138, janeiro/junho, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-14982003000100007>. Acesso em: 26 abr. 2019.

KESSLER, H. P.; KVELLER, D. B. O ensino testemunhal entre os restos da ditadura: uma metodologia ético-política. Psicologia: ciência e profissão, v. 37, p. 161-171, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141498932017000500161&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em: 26 abr. 2019.

KHAN, M. R. (1963). O conceito de trauma cumulativo. In: ______. Psicanálise: teoria, técnica e casos clínicos. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 1984.

KLAUTAU, P.; WINOGRAD, M.; SOLLERO-DE-CAMPOS, F. Do traumático ao trauma: a lógica do presente permanente. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 22, n. 3, p. 613-635, dezembro, 2016. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682016000300006>. Acesso em: 28 set. 2019.

KOLTAI, C. Entre psicanálise e história: o testemunho. Psicologia USP, v. 27, n. 1, p. 24-30, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pusp/v27n1/1678-5177-pusp-27-01-00024.pdf>. Acesso em: 26 abr. 2019.

KUPERMANN, D. A progressão traumática: algumas consequências para a clínica na contemporaneidade. In: ______. Presença sensível: cuidado e criação na clínica psicanalítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

KUPERMANN, D.; BARBOSA, M. N. P. Quem testemunha pelas testemunhas? traumatismo e sublimação em Primo Levi. Psicologia USP, v. 27, n. 1, p. 31-40, 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 abr. 2019.

LACAPRA, D. Trauma, absence, loss. Critical Inquiry 25, Chicago, The Chicago University Press, p. 696-727, 1999. Disponível em: <https://www.jstor.org/stable/1344100?seq=1>. Acesso em: 28 set. 2019.

LAPLANCHE, J.; PONTALIS, J-B. Vocabulário de psicanálise. 4. ed. São Paulo: Martin Fontes, 2001.

LEVI, P. É isso um homem? Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

______. (1986). Os afogados e os sobreviventes: os delitos, os castigos, as penas e as impunidades. 3. ed. São Paulo/Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2016.

MACÊDO, L. F. Testemunho, extimidade e a escrita de Primo Levi. Revista de Letras, São Paulo, v. 52, n. 1, p. 51-65, janeiro/junho, 2012. Disponível em: <https://periodicos.fclar.unesp.br/letras/article/view/5072>. Acesso em: 26 abr. 2019.

MACIEL, C. P. R. Literatura de testemunho. Opiniães, n. 9, 2016. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/opiniaes/article/view/124618>. Acesso em: 26 abr. 2019.

MALDONADO, G.; CARDOSO, M. R. O trauma psíquico e o paradoxo das narrativas impossíveis, mas necessárias. Psicologia Clínica, v. 21, n. 1, p. 45-57, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-56652009000100004&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 26 abr. 2019.

MONTEIRO, B. E. de Q. Traços acinzentados do cotidiano em Primo Levi. Revista da Anpoll, Florianópolis, n. 36, p. 250-266, janeiro/junho, 2014.

MORAES, E. G.; MACEDO, M. M. K. Vivência de indiferença: trauma ao ato-dor. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

MORENO, M. M. A. Trauma: o avesso da memória. Dissertação (Mestrado em Psicologia Experimental). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: <https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47132/tde-10022010-073843/pt-br.php>. Acesso em: 26 abr. 2019.

MORENO, M. M. A.; COELHO JUNIOR, N. E. Trauma: o avesso da memória. Ágora, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 47-61, janeiro/junho, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-14982012000100004>. Acesso em: 26 abr. 2019.

NOGUEIRA, E. B.; MELLO NETO, G. A. R. de. Frida Kahlo: considerações sobre o trauma e a reinvenção do corpo. Revista Psicologia: teoria e prática, n. 18(2), p. 34-45, São Paulo, SP, maio/agosto, 2016. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872016000200003>. Acesso em: 28 set. 2019.

OUTEIRAL, J. Frida Kahlo: um estudo sobre a questão do trauma. In: OUTEIRAL, J.; MOURA, L. Paixão e criatividade: estudos psicanalíticos sobre Frida Kahlo, Camille Claudel e Coco Chanel. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Thieme Revinter, 2004.

PEREIRA, N. B. A análise de discurso na literatura de Primo Levi. Revista Panorama, Goiânia, v. 7, n. 1, p. 33-37, janeiro/junho, 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2019.

RUSSO, A. L. R. G. Primo Levi - uma vida a descobrir. História da ciência e ensino, v. 18, p. 140-152, 2018. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2019.

SELIGMANN-SILVA, M. A história como trauma. In: ______. NESTROVSKI, A. (Org.). Catástrofe e representação. São Paulo: Editora Escuta, 2000.

______. Narrar o trauma - A questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 65-82, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pc/v20n1/05>. Acesso em: 26 abr. 2019.

______. O testemunho: entre a ficção e o “real”. In: ______. (Org.). História, memória, literatura: o testemunho na era de catástrofes. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP, 2003.

SILVA, R. L. A questão da memória em narrativas de testemunho. Revista do Sell, v. 4, n. 2, julho, 2014. Disponível em: <http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/sell/article/view/459>. Acesso em: 26 abr. 2019.

SLAVUTZKY, A. Sobre os afogados e os sobreviventes. Webmosaica: Revista do Instituto Cultural Judaico Marc Chagall, v. 1, n. 1, janeiro-junho, 2009. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/webmosaica/article/view/9774/5567>. Acesso em: 28 set. 2019.

WINNICOTT, D. W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Editora Imago, 1975.

Publicado
04-08-2020
Como Citar
HOMERCHER, B.; IENSEN, S. Do traumático ao viver criativo. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 42, n. 42, p. 13-36, 4 ago. 2020.