Quem contou os tiros que mataram Mineirinho, quem conta os dias da morte de Marielle?

Um olhar psicanalítico para uma comoção

  • Lina Cavalcante Fórum do Campo Lacaniano de Fortaleza, CE
  • Michele Lourinho Universidade Federal do Ceará (UFC). Fortaleza, CE
  • Ana Carolina Borges Leão Martins Fórum do Campo Lacaniano de Fortaleza, Fortaleza, CE
Palavras-chave: Psicanálise, Mal-estar, Segregação, Comoção, Literatura

Resumo

O que causa nossa comoção diante de uma morte? Por que Clarice Lispector conta os tiros que mataram Mineirinho e uma parcela da população conta os dias da morte de Marielle Franco? Essas são indagações que guiam um olhar psicanalítico para a comoção exposta na crônica Mi- neirinho, de Clarice, oportunidade em que se realiza um entrelaçamento da psicanálise com a obra literária. Além dessa abordagem, busca-se uma relação entre a narrativa da crônica e o conceito de comoção e vida precária em Judith Butler. Há também um diálogo entre o que traz Butler e a ética trágica da psicanálise.

 

Biografia do Autor

Lina Cavalcante, Fórum do Campo Lacaniano de Fortaleza, CE

Psicanalista em formação permanente. Membro do Fórum do Campo Lacaniano de Fortaleza. Especialista em Semiótica Aplicada à Literatura e Áreas Afins pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Fortaleza, CE, Brasil.

Michele Lourinho, Universidade Federal do Ceará (UFC). Fortaleza, CE

Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Fortaleza, CE, Brasil.

Ana Carolina Borges Leão Martins, Fórum do Campo Lacaniano de Fortaleza, Fortaleza, CE

Psicanalista. Doutora em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora adjunta do curso de Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC), campus Sobral, e do Mestrado Profissional em Psicologia e Políticas Públicas da Universidade Federal do Ceará (UFC), campus Sobral. Membro do Fórum do Campo Lacaniano de Fortaleza. Fortaleza, CE, Brasil.

Referências

ASKOFARÉ, S. Aspectos da segregação. A peste, São Paulo, ano 1, n. 2, p. 345-354, 2009. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/apeste/article/view/6287/4621>. Acesso em: 20 ago. 2018.

BUTLER, J. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018a.

______. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa das assembleias. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018b.

FREUD, S. (1930). O mal-estar na civilização. In: ______. O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936). São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 13-122.

______. (1921). Psicologia de grupo e análise do eu. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 79-157. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 18).

LACAN, J. (1959-1960). O seminário livro 7: a ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

______. (1967). Proposição de 9 de outubro de 1967 sobre o psicanalista da Escola. In: Outros escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. p. 248-264.

______. (1967). Petit discours aux psychiatres de Sainte-Anne. Disponível em: <http://ecole-lacanienne.net/wp-content/uploads/2016/04/1967-11-10.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2019.

______. (1969-1970). O seminário livro 17: o avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

LISPECTOR, C. Mineirinho. In: ______. A legião estrangeira. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1964. p. 252.

______. Mineirinho. In: ______. Para não esquecer. Rio de Janeiro: Rocco, 1999. p. 123-126.

______. O que eu queria ter sido. In: ______. Aprendendo a viver. Rio de Janeiro: Rocco, 2004. p. 45-46.

Publicado
04-08-2020
Como Citar
CAVALCANTE, L.; LOURINHO, M.; MARTINS, A. C. Quem contou os tiros que mataram Mineirinho, quem conta os dias da morte de Marielle?. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 42, n. 42, p. 47-59, 4 ago. 2020.