Função analítica da mãe, função poética do analista

  • Celso Gutfreind Sociedade Brasileira de Psicanálise de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil
Palavras-chave: Poesia, Psicanálise, Primeiras interações pais-bebês

Resumo

Neste artigo, o autor realiza uma ponte entre a função do analista e a função poética. A partir de autores da teoria da literatura como Jakobson e Berardinelli, o conceito de função analítica é trabalhado, sobretudo, em suas conexões com a poesia. A poesia e a arte em geral aparecem como condições necessárias para a qualidade das primeiras interações pais-bebês, cujos principais autores também são arrolados. Complementa o artigo uma breve descrição clínica em que esses excertos se fazem presentes.

Biografia do Autor

Celso Gutfreind, Sociedade Brasileira de Psicanálise de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil

Psiquiatra e psicanalista da infância, fliado à Sociedade Brasileira de Psicanálise de Porto Alegre (SBPdePA), doutorado em Psicologia/Université Paris 13 (Paris-Nord), escritor.

Referências

ADORNO, Teodor W. Notas de literatura I. São Paulo: Ed. Duas Cidades 34, 2012.
ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética clássica. São Paulo: Editora Cultrix, 2005.
BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1983.
BEN SOUSSAN, P. S’il vous plait, dessine-moi un parent… Spirale – Parentalité accompagnée… parentalité confsquée? n. 29, p. 33-45, 2004.
BERARDINELLI, A. Da poesia à prosa. São Paulo: Cosacnaify, 2007.
BION, W. R. (1970). Atenção e interpretação. Rio de Janeiro: Imago, 2006.
BIRMAN, Joel. Por uma estilística da existência. São Paulo: Editora 34, 1996.
BYDLOWSKI, M. La dette de vie – Itinéraire psychanalytique de la maternité. Paris: Puf, 1997.
CICCONE, Albert. Naissance à la pensée et partage d’affects. Apresentado no Colóquio Vinculos tempranos, clinica y desarrollo infantil, Montevideo, agosto de 2007.
COSTA, Gley. A clínica psicanalítica das patologias contemporâneas. Porto Alegre: Artmed, 2010
CROCE, Benedetto. A poesia. Porto Alegre: Globo, 1967.
DALTON, R. Historias y poemas de una lucha de classes. México: Ocean sur, 2010.
DIATKINE, R. L’enfant dans l’adulte ou l’éternelle capacité de rêverie. Lausanne: Delachaux et Niestlé, 1994.
FREUD, S. (1919). O estranho. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 233-269. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 17).
GUILLAUMIN, Jean. Le moi sublime – Psychanalyse de la créativité. Paris: Dunod, 1998.
GUTFREIND, Celso. Narrar, ser mãe, ser pai & outros ensaios sobre a parentalidade. Rio de Janeiro: Difel, 2010.
HOUZEL, D. Les enjeux de la parentalité. Ramonville Saint-Agne: Érès, 1999.
JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1975.
LEBOVICI, S. Diálogo Leticia Solis-Ponton e Serge Lebovici, Em ser pai, ser mãe –parentalidade: um desafo para o próximo milênio. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.
LISBÔA, Renata. Psicanálise, criatividade e o indizível da experiência em Manoel de Barros. Porto Alegre: Artes & Ecos, 2017.
MAHLER, M. As psicoses infantis e outros estudos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1983.
MELTZER, Donald; WILLIAMS, Meg Harris. A apreensão do belo – o papel do conflito estético no desenvolvimento, na violência e na arte. Rio de Janeiro: Imago, 1994.
OGDEN, Tomas. Reverie e interpretação – captando algo humano. São Paulo: Escuta, 2013.
PAVLOVSKY, Eduardo (1980). Espacios y creatividad. Buenos Aires: Ediciones Busqueda de AYLLU S.R.L, 1990.
PLATÃO. A república. São Paulo: Martin Claret, 2003.
POLITZER, Georges. Crítica dos fundamentos da psicologia – a psicologia e a psicanálise. Piracicaba: Editora Unimep, 1998.
RICOEUR, Paul. Escritos e conferências 1 – em torno da psicanálise. São Paulo: Edições Loyola, 2010.
SEGAL, H. A obra de Hanna Segal. Rio de Janeiro: Imago, 1982.
SIDNEY, Sir Phillip; SHELLEY, Perci B. Defesas da poesia. São Paulo: Iluminuras, 2002.
STERN, D. La constellation maternelle. Mesnil-sur-L’Estreée: Calmann-Lévy, 1997.
TREVISAN, Armido. A dança do sozinho. Porto Alegre: Pradense, 2016.
WALLERSTEIN, R. S. ?Un Psicoanalisis o Muchos?, Int. J. Psycho-Anal, p. 5-21, 1988.
WINNICOTT, D. W. (1951). Objets transitionnels et phénomènes transitionnels.
Une étude de la première possession non-moi. In: De la pédiatrie à la psychanalyse. Paris: Payot, 1969.
______. (1956). La preoccupation maternelle primaire. In: De la pédiatrie à la psychanalyse. Paris: Payot, 1969.
______. (1965). Los procesos de maduración y el ambiente facilitador – Estudios para una teoria del desarrollo emocional. Buenos Aires: Paidós, 2002.
______. (1971). Jeu et réalité – L’espace potential. Paris: Gallimard, 1975.
Publicado
28-11-2018
Como Citar
GUTFREIND, C. Função analítica da mãe, função poética do analista. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 40, n. 39 jul/dez, p. 11-28, 28 nov. 2018.