O diário de Frida Kahlo em questão

corpo e trauma

  • Gerusa Morgana Bloss Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil
  • Ana Lúcia Mandelli de Marsillac Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.
Palavras-chave: Frida Kahlo, Trauma, Corpo, Psicanálise, Arte

Resumo

O presente artigo visa estabelecer uma discussão acerca do corpo e do trauma, a partir do diário de Frida Kahlo. Articulando essas questões nos âmbitos da psicanálise e da arte, temos como objetivos: refletir sobre a atualidade e relevância da obra de Frida Kahlo; promover relações entre a escrita do diário como possibilidade de resistência; apresentar algumas possibilidades interpretativas, a partir de imagens que constam no diário dessa importante pintora mexicana. Nesse sentido, as interlocuções promovidas sugerem que a escrita de diário pode constituir-se em um modo de rever e de lidar com o real e com o traumático.

Biografia do Autor

Gerusa Morgana Bloss, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil
Graduada em Psicologia/Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mestranda em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia/Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Bolsista CAPES. Membro do Grupo de Pesquisa: Psicanálise, Processos Criativos e Interações Políticas – LAPCIP/ Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Ana Lúcia Mandelli de Marsillac, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Psicóloga, psicanalista, doutora em Artes Visuais – História, teoria e crítica/Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora adjunta do Departamento de Psicologia/Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia/Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), professora/tutora do Programa de Residência Integrada Multiprofssional em Saúde/Hospital Universitário/Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Líder do Grupo de Pesquisa: Psicanálise, Processos Criativos e Interações Políticas – LAPCIP/Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Integrante do GT ANPEPP: Psicanálise, política e cultura. Membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre (APPOA).

Referências

ARAÚJO, R. C. Errâncias, corpo e pintura no diário íntimo de Frida Kahlo (resenha). Palimpsesto, ano 12, n. 16, p. 2, 2013.
BARROS, R. M. M. Escrita e a transformação do real. In: SCOTTI et al. (Orgs.). Escrita e psicanálise II. Curitiba: Editora CRV, 2010. p. 27-32.
BASTOS, M. M.; CARNEIRO, M. A. F. L. Frida Kahlo: uma vida. Psicanálise & barroco – Revista de Psicanálise. v. 5, n. 2, p. 46-76, dez. 2007.
BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
BAVCAR, E. A luz e o cego. In: BAVCAR, E. O ponto zero da fotografa. Rio de Janeiro: Very Special Arts/Funarte, 2000.
______. O corpo como espelho da história. In: NOVAES, A. O Homem-máquina: a ciência manipula o corpo. São Paulo: Companhia das letras, 2003. p. 175-190.
BLANCHOT, M. (1959). O diário íntimo e a narrativa. In: BLANCHOT, M. O livro por vir. São Paulo: Martins Fontes, 2005. p. 270-278.
COSTA, A. M. M. A fcção do si mesmo: interpretação e ato em psicanálise. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 1998.
______. Litorais da psicanálise. Psicologia & sociedade. v. 21, ed. especial, p. 26-30, 2009.
______. Relações entre psicanálise e escrita. Rio de Janeiro: Terceira margem. n. 26, p. 61-79, jan./jun., 2012.
DEBORD, G. (1967). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.
DICIONÁRIO PRIBERAM DA LÍNGUA PORTUGUESA, 2008-2013. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2017.
DICIONÁRIO PRIBERAM DA LÍNGUA PORTUGUESA, 2008-2013. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2017.
DICIONÁRIO PRIBERAM DA LÍNGUA PORTUGUESA, 2008-2013. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2017.
DIDI-HUBERMAN, G. Ante el tiempo: historia del arte y anacronismo de las imágenes. Buenos Aires: Adriana Hidalgo editora, 2006.
FOUCAULT, M. A arqueologia do saber (1969). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.
FREUD, S. El creador literario y el fantaseo (1908 [1907]). Buenos Aires: Amorrortu, 1992. p. 123-136. (Obras Completas, 9).
ARAÚJO, R. C. Errâncias, corpo e pintura no diário íntimo de Frida Kahlo (resenha). Palimpsesto, ano 12, n. 16, p. 2, 2013.
BARROS, R. M. M. Escrita e a transformação do real. In: SCOTTI et al. (Orgs.). Escrita e psicanálise II. Curitiba: Editora CRV, 2010. p. 27-32.
BASTOS, M. M.; CARNEIRO, M. A. F. L. Frida Kahlo: uma vida. Psicanálise & barroco – Revista de Psicanálise. v. 5, n. 2, p. 46-76, dez. 2007.
BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
BAVCAR, E. A luz e o cego. In: BAVCAR, E. O ponto zero da fotografa. Rio de Janeiro: Very Special Arts/Funarte, 2000.
______. O corpo como espelho da história. In: NOVAES, A. O Homem-máquina: a ciência manipula o corpo. São Paulo: Companhia das letras, 2003. p. 175-190.
BLANCHOT, M. (1959). O diário íntimo e a narrativa. In: BLANCHOT, M. O livro por vir. São Paulo: Martins Fontes, 2005. p. 270-278.
COSTA, A. M. M. A fcção do si mesmo: interpretação e ato em psicanálise. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 1998.
______. Litorais da psicanálise. Psicologia & sociedade. v. 21, ed. especial, p. 26-30, 2009.
______. Relações entre psicanálise e escrita. Rio de Janeiro: Terceira margem. n. 26, p. 61-79, jan./jun., 2012.
DEBORD, G. (1967). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.
DICIONÁRIO PRIBERAM DA LÍNGUA PORTUGUESA, 2008-2013. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2017.
DICIONÁRIO PRIBERAM DA LÍNGUA PORTUGUESA, 2008-2013. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2017.
DICIONÁRIO PRIBERAM DA LÍNGUA PORTUGUESA, 2008-2013. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2017.
DIDI-HUBERMAN, G. Ante el tiempo: historia del arte y anacronismo de las imágenes. Buenos Aires: Adriana Hidalgo editora, 2006.
FOUCAULT, M. A arqueologia do saber (1969). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.
FREUD, S. El creador literario y el fantaseo (1908 [1907]). Buenos Aires: Amorrortu, 1992. p. 123-136. (Obras Completas, 9).
Publicado
28-11-2018
Como Citar
BLOSS, G.; MARSILLAC, A. O diário de Frida Kahlo em questão. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 40, n. 39 jul/dez, p. 29-49, 28 nov. 2018.