Neurose obsessiva e tempo

incidências da aceleração social?

  • Karla Patricia Holanda Martins Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil
  • Osvaldo Costa Martins Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.
  • Natercio Antonio Ferreira Capote Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.
Palavras-chave: Neurose Obsessiva, Psicanálise, Superinvestimento do pensar, Tempo, Aceleração social

Resumo

O trabalho discute as implicações entre neurose obsessiva, temporalidade e aceleração social. Indagamos sobre as reverberações da aceleração social no sofrimento psíquico dos obsessivos em suas queixas e sintomas ligados à pressa, à procrastinação e ao superinvestimento do pensar. Com fragmentos de casos clínicos, analisamos como a atividade do pensamento pode estar a serviço da posição obsessiva ante o tempo. Recorrendo a Freud e Lacan, demarcamos o lugar das noções de tempo e temporalidade em psicanálise e a relação do pensamento no sujeito obsessivo. Ao fnal, questionamos as possíveis relações entre a temporalidade acelerada e o sofrimento neurótico.

Biografia do Autor

Karla Patricia Holanda Martins, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil

Psicanalista, pós-doutora em Psicologia Clínica/ Universidade de São Paulo (USP), professora e coordenadora do Programa de Psicologia/Universidade Federal do Ceará (UFC).

Osvaldo Costa Martins, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Psicanalista, mestrado em Psicologia/Universidade Federal do Ceará (UFC), doutorando em Psicologia/Universidade Federal do Ceará (UFC/ CAPES-DS), membro da Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano.

Natercio Antonio Ferreira Capote, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Psicanalista, mestrando em Psicologia/Universidade Federal do Ceará (UFC/CAPES-DS).

Referências

FREUD, Sigmund (1894). As neuropsicoses de defesa. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 53-66. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 3).
______. (1896). A hereditariedade e a etiologia das neuroses. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 143-155. (ESB, 3).
______. (1907). Atos obsessivos e práticas religiosas. Rio de Janeiro: Imago, 1987. p. 300-313. (ESB, 8).
______. (1909). Observações sobre um caso de neurose obsessiva (“O homem dos ratos”). São Paulo: Companhia das Letras, 2014. p. 13-112. (Obras completas, 9).
______. (1913). A predisposição à neurose obsessiva. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 324-337. (Obras completas, 10).
______. (1925). A negativa. Rio de Janeiro: Imago, 2007. p. 145-150. (ESB, 19).
GAZZOLA, Renato. Estratégias na neurose obsessiva. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.
GONDAR, Jô. Os tempos de Freud. Rio de Janeiro: Revinter, 1995.
LACAN, J. (1953). Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998, p. 238-324.
______. (1964). O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999.
______. (1970). O seminário, livro 17: o avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1992.
MARTINS, Karla P. Holanda. O inconsciente em suspense um estudo do processo de elaboração através do cinema hitchcockiano. Dissertação (Mestrado em Teoria Psicanalítica). Instituto de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 1995.
NOMINÉ, Bernard. A função do tempo no desejo e seu uso hoje. Núcleo de Pesquisa Psicanálise e Sociedade da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Conferência realizada em São Paulo, Brasil, Agosto de 2017. Disponível em: www.youtube.com/results?search_query=Nomin%C3%A9+tempo+desejo> Acesso em: 03 jun. 2018.
PAIVA, Oliveira. Dona Guidinha do Poço. Fortaleza: ABC Editora, 2002.
PROUST, Marcel. Em busca do tempo perdido - no caminho de Swann. São Paulo: Editora Globo, 1999.
ROSA, Hartmut. Alienacíon y aceleración – Hacia una teoria crítica de latemporalidad y la modernidade tardia. Madri: Katz editores, 2016.
SOLER, Colette. Declinações da angústia. São Paulo: Escuta, 2012.
Publicado
28-11-2018
Como Citar
MARTINS, K.; MARTINS, O.; CAPOTE, N. Neurose obsessiva e tempo. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 40, n. 39 jul/dez, p. 51-66, 28 nov. 2018.