A positividade de uma vida em fragmentos

  • Stephanie Soares Brum Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Palavras-chave: Trauma, Fragmentação, Ferenczi, Catástrofe

Resumo

A partir de um recorte sobre a teoria do trauma ferencziano, lançaremos nossas considerações a partir de três pontos: 1) a ideia de um desenvolvimento que se dá em decorrência de um movimento adaptativo à incidência de catástrofes; 2) em seguida adentraremos na teoria do trauma desestruturante proposta por Ferenczi, onde estudaremos de que maneira se dá a fragmentação em decorrência de um evento traumático; 3) por fm nos dedicaremos às considerações de Ferenczi no que tange a uma vida fragmentada. Nosso principal objetivo se funda em tentar apresentar a existência fragmentada como uma forma de organização psíquica distinta da neurose e dotada de positividade.

Biografia do Autor

Stephanie Soares Brum, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Mestranda em Teoria Psicanalítica do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica/Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Referências

CÂMARA, L.; KLEIN, T.; HERZOG, R. Um olhar de confança. In: HERZOG, R. & PACHECO-FERREIRA, F. De Édipo a Narciso: a clínica e seus dispositivos. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2014. p. 103-118.
FERENCZI, Sándor (1909). Transferência e introjeção. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 88-123. (Obras Completas Sándor Ferenczi, 1).
______. (1921). Reflexões psicanalíticas sobre os tiques. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 81-112. (Obras Completas Sándor Ferenczi, 3).
______. (1924). Talassa: ensaio sobre a teoria da genitalidade. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 276-357. (Obras Completas Sándor Ferenczi, 3).
______. (1926). O problema da afrmação do desprazer. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 431-443. (Obras Completas Sándor Ferenczi, 3).
______. (1930-1932). Notas e fragmentos. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 267-323. (Obras Completas Sándor Ferenczi, 4).
______. (1930a). Notas e fragmentos: toda adaptação é precedida de uma tentativa inibida de desintegração. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 271-272. (Obras Completas Sándor Ferenczi, 4).
______. (1930b). Notas e fragmentos: reflexões sobre o “prazer da passividade”. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 276-278. (Obras Completas Sándor Ferenczi, 4).
______. (1930c). Notas e fragmentos: traumatismo e aspiração à cura. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 282-283. (Obras Completas Sándor Ferenczi, 4).
______. (1931a). Análise de crianças com adulto. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 79-953. (Obras Completas Sándor Ferenczi, 4).
______. (1931b). Notas e fragmentos: traumatismo e angustia. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 293-294. (Obras Completas Sándor Ferenczi, 4).
______. (1932). Confusão de línguas entre crianças e adultos. São Paulo: Martins Fontes, 2011, p. 111-121. (Obras Completas Sándor Ferenczi, 4).
______. (1934). Reflexões sobre o trauma. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 125-135. (Obras Completas Sándor Ferenczi, 4).
______. Diário clínico. São Paulo: Martins Fontes, 1990.
FREUD, S. (1900). A interpretação dos sonhos. Rio de Janeiro: Imago, 2006. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 4).
______. ([1915]1917). Luto e melancolia. São Paulo: Companhia das letras, 2010. p. 170-194. (Obras Completas, 12).
______. (1920). Além do princípio do prazer. São Paulo: Companhia das letras, 2010. p. 161-239. (Obras Completas, 14).
______. (1923). O Eu e o ID. São Paulo: Companhia das letras, 2011. p. 13-74. (Obras Completas, 16).
______. (1924). O problema econômico do masoquismo. São Paulo: Companhia das letras, 2011. p. 184-202. (Obras Completas, 16).
______. (1926). Inibição, sintoma e angústia. São Paulo: Companhia das letras, 2014. p. 13-123. (Obras Completas, 17).
______. (1937). Construções em análise. Rio de Janeiro: Imago, 1975. p. 289-304. (Edição standard brasileira das obras completas de Sigmund Freud, 23)
GONDAR, J. A vontade de (se) destruir: Ferenczi com Nietzsche. In: REIS, E.; GONDAR, J. Com Ferenczi. Rio de Janeiro: 7letras, 2017.
GREEN, A. (1927). Orientações para uma psicanálise contemporânea. Rio de Janeiro: Imago, 2008.
______. O analista, a simbolização e a ausência no contexto analítico. In: ______. Sobre a loucura pessoal. Rio de Janeiro: Imago, 1988.
______. (1974). O outro e a experiência de self. In: KHAN, M. Psicanálise: teoria técnica e casos clínicos, Rio de Janeiro: Francisco Alves, p. 1-18, 1984.
KNOBLOCH, F. O tempo do traumático. São Paulo: EDEC, 1998.
LEJARRAGA, A. L. Clínica do trauma em Ferenczi e Winnicott. Natureza Humana, São Paulo, v. 10, n. 2, dez. 2008.
MASSON, J. (Org.) A correspondência completa de Sigmund Freud para Wilhelm Fliess 1887-1904. Rio de Janeiro: Imago, 1986.
PINHEIRO, T. Ferenczi. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2016.
______. Ferenczi do grito a palavra. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.
______. O modelo melancólico e os sofrimentos da contemporaneidade. In: VERZTMAN, J.; HERZOG, R.; PINHEIRO, T.; PACHECO-FERREIRA, F.Sofrimentos narcísicos, Rio de Janeiro: Companhia de Freud, p. 17-38, 2012.
VERZTMAN, Julio S. O observador do mundo: a noção de clivagem em Ferenczi. Ágora, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, jan/jun, p.59-78, 2002.
WINNICOTT, D. (1960). Distorções do ego em termos de falso e verdadeiro “self ”. In: ______. O ambiente e os processos de maturação. Porto alegre: Artes Médicas, p. 79-87, 2007.
Publicado
28-11-2018
Como Citar
BRUM, S. A positividade de uma vida em fragmentos. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 40, n. 39 jul/dez, p. 125-144, 28 nov. 2018.