Os primórdios da psicanálise e a construção da noção de fantasia

  • Renata Dahwache Martins Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
  • Ingrid Vorsatz Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Palavras-chave: Psicanálise, Fantasia, Realidade psíquica, Ficção, Criação

Resumo

Em suas pesquisas etiológicas em relação à clínica das neuroses, mais especifcamente a da histeria, Freud se vê diante de um enigma: a problemática da fantasia. Legitima o relato de sedução das histéricas através de uma teoria que abandona em 1897, ao constatar tratar-se de uma cena, atribuindo-lhe realidade psíquica, comparando o seu mecanismo ao da criação literária e alocando seu estatuto entre realidade e fcção. A partir de uma revisão bibliográfca da obra freudiana e recorrendo pontualmente a Lacan e outros autores, pretendemos discutir as proposições iniciais de Freud sobre a fantasia, destacando seu estatuto fccional e, não obstante, dotado de efetividade, problematizando sua articulação com a realidade psíquica e a criação literária.

Biografia do Autor

Renata Dahwache Martins, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Graduada em Psicologia/Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Integrante da pesquisa Psicanálise e literatura – o campo da palavra e da linguagem como práxis.

Ingrid Vorsatz, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Professora adjunta do Instituto de Psicologia/Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Doutora em Teoria Psicanalítica/Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Coordenadora do curso de especialização em Psicologia Clínica Institucional – modalidade Residência Hospitalar (IP-UERJ). Coordenadora da Comissão de Residência Multiprofssional e em Área Profssional de Saúde (COREMU-UERJ). Coordenadora da pesquisa Psicanálise e literatura – o campo da palavra e da linguagem como práxis.

Referências

BALADIER, Charles. Te reappearance of “phantasm” on the basis of the vocabulary of psychoanalysis. In: CASSIN, B. (Org.). Dictionary of untranslatables: a philosophical lexicon. Princeton: Princeton University Press, 2014.
BREUER, Joseph; FREUD, Sigmund (1893). Comunicação preliminar. In: Obras completas, volume 2. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.
______. (1895). Estudos sobre a histeria. In: Obras completas, volume 2. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.
DÉCULTOT, Elizabeth. Dichtung. In: CASSIN, B. (Org.). Dictionary of untranslatables: a philosophical lexicon. Princeton: Princeton University Press, 2014.
FREUD, Sigmund (1886). Relatório sobre meus estudos em Paris e Berlim. Rio de Janeiro: Imago, 1977. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 1).
______. (1888). Histeria. Rio de Janeiro: Imago, 1977. (ESB, 1).
______. (1893). Charcot. Rio de Janeiro: Imago, 1977. (ESB, 3).
______. (1894). As neuropsicoses de defesa. Rio de Janeiro: Imago, 1977. (ESB, 3).
______. (1895). Projeto para uma psicologia científca. Rio de Janeiro: Imago, 1977. (ESB, 1).
______. (1896). A hereditariedade e a etiologia das neuroses. Rio de Janeiro: Imago, 1977. (ESB, 3).
______. (1897). Rascunho K. In: MASSON, Jeffrey Moussaieff (Org.). A correspondência completa de Sigmund Freud para Wilhelm Fliess (1887-1904). Rio de Janeiro: Imago, 1986.
______. (1897). Rascunho L. In: MASSON, Jeffrey Moussaieff (Org.). A correspondência completa de Sigmund Freud para Wilhelm Fliess (1887-1904). Rio de Janeiro: Imago, 1986.
______. (1897). Rascunho M. In: MASSON, Jeffrey Moussaieff (Org.). A correspondência completa de Sigmund Freud para Wilhelm Fliess (1887-1904). Rio de Janeiro: Imago, 1986.
______. (1897). Rascunho N. In: MASSON, Jeffrey Moussaieff (Org.). A correspondência completa de Sigmund Freud para Wilhelm Fliess (1887-1904). Rio de Janeiro: Imago, 1986.
______. (1899). Lembranças encobridoras. Rio de Janeiro: Imago, 1996 (ESB, 3).
______. (1900). A interpretação dos sonhos. Porto Alegre: LP&M, 2012.
______. (1908). O poeta e o fantasiar. In: Arte, literatura e os artistas – Obras incompletas de Sigmund Freud. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
______. (1914). História do movimento psicanalítico. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. (Obras completas, 11).
______. (1917). Uma lembrança de infância em “Poesia e verdade”. In: Arte, literatura e os artistas – Obras incompletas de Sigmund Freud. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
______. (1917). Conferência XXIII – Os caminhos da formação dos sintomas. Rio de Janeiro: Imago, 1977. (ESB, 16).
______. (1925). Autobiografa. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. (Obras completas, 16).
______. (1937). A análise fnita e a infnita. In: Fundamentos da clínica – Obras incompletas de Sigmund Freud. Belo Horizonte: Autêntica Editora. 2017.
FOUCAULT, Michel. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1977.
GARCIA-ROZA, Luiz Alfredo. Freud e o inconsciente. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 1994.
JORGE, Marco Antonio. Fundamentos da psicanálise – de Freud a Lacan: a clínica da fantasia. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 2010.
LACAN, Jacques (1954). O mito individual do neurótico. Lisboa: Assírio e Alvim, 1980.
______. (1956-57). O seminário livro 4 – A relação de objeto. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 1995.
______. (1959-60). O seminário livro 7 – A ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 2008.
______. (1964). O seminário livro 11 – Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 2008.
LAPLANCHE, Jean; PONTALIS, Jean-Bertrand (1967). Vocabulário da psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 2016.
MASSON, Jeffrey Moussaieff. A correspondência completa de Sigmund Freud para Wilhelm Fliess (1887-1904). Rio de Janeiro: Imago, 1986.
RIVERA, Tania. O fantasiar: afastamento da realidade e criação artística. Tempo psicanalítico, Rio de Janeiro, v. 28, p. 33-54, 1995.
ROUDINESCO, Elisabeth; PLON, Michel. Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 1998.
SILVA, Virgínia. Da selva imaginária à fantasia fundamental: variações sobre a lógica da fantasia em Freud. 2014. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Faculdade de Filosofa e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, 2014.
STRACHEY, J. (1950). Prefácio ao artigo lembranças encobridoras (Freud, 1899). Rio de Janeiro: Imago, 1996. (ESB, 3).
VORSATZ, Ingrid; MARTINS, Renata. O poeta e o psicanalista – a inquietante estranheza do duplo. Psicologia em revista, no prelo.
Publicado
28-11-2018
Como Citar
MARTINS, R.; VORSATZ, I. Os primórdios da psicanálise e a construção da noção de fantasia. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 40, n. 39 jul/dez, p. 251-272, 28 nov. 2018.