Narrativa em análise

da escrita ao conto

  • Bárbara Taveira Fleury Curado Universidade de Brasília - UnB, Brasília, DF
  • Eliana Rigotto Lazzarini, Sra. Universidade de Brasília - UnB, Brasília, DF
Palavras-chave: Escrita, Análise, Ficção, Narrativa, Conto

Resumo

Este trabalho é parte de uma pesquisa de doutorado que tem como premissa pontuar a proximidade que há entre psicanálise e literatura a partir da ideia de inconsciente como construção narrativa e, portanto, ficcional. Assim, a hipótese que aqui trago é de que a narração é uma necessidade e direito de todo sujeito, posto que é no ato de se contar, digo, de criar narrativas sobre si, que ele situa seu desejo e se situa diante de sua fantasia. Sendo assim, é só através de uma implicação pela narração que o sujeito pode assumir seu dito e sua vida como autor. Surgem então duas questões: fazer análise pode ser uma experiência de re-escrita de si? E dentro desta contação toda, é possível pensar a clínica como um lugar de tecer ficções?

Biografia do Autor

Bárbara Taveira Fleury Curado, Universidade de Brasília - UnB, Brasília, DF

Doutoranda em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília (UNB). Bolsista do CNPQ, Brasília, DF, Brasil.

Eliana Rigotto Lazzarini, Sra., Universidade de Brasília - UnB, Brasília, DF

Doutora em Psicologia pela Universidade de Brasília (UNB). Professora do Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (UNB), Brasília, DF, Brasil.

Referências

CALVINO, Í. Mundo escrito e mundo não escrito. Artigos, conferências e entrevistas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

CANDIDO, A. Direitos humanos e literatura. In: FESTER, A. C. R. (Org.). Direitos humanos e literatura. São Paulo: Brasiliense, 1989.

DUNKER, C. Estrutura e constituição da clínica psicanalítica: uma arqueologia das práticas de cura, psicoterapia e tratamento. São Paulo: Annablume, 2011.

DUNKER, C.; ZANETTI, C. Construção e formalização de casos clínicos. In: DUNKER, C. I. L. (Org.). A construção de casos clínicos em psicanálise: método clínico e formalização discursiva. São Paulo: Annablume, 2017.

FINGERMAN, D. O momento do passe. Stylus: Revista de Psicanálise, Rio de Janeiro, Associação Fóruns do Campo Lacaniano, n. 14, abril de 2007.

FLESLER, A. A psicanálise de crianças e o lugar dos pais. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

FOUCAULT, M. (1969). O que é um autor? Lisboa: Passagens, 2000.

FRANCO, S. Sobre a experiência do passe. Stylus: Revista de Psicanálise, Rio de Janeiro, Associação Fóruns do Campo Lacaniano, n. 14, abril de 2007.

FREUD, S. (1908[1907]). Escritores criativos e seus devaneios. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 9).

______. (1908). Sobre as teorias sexuais das crianças. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (ESB, 9).

______. (1925-26). Um estudo autobiográfico. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (ESB, 9).

______. (1937). Análise finita e infinita. In: Fundamentos da clínica psicanalítica. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. (Obras psicológicas incompletas de Sigmund Freud).

______. (1937). Construções na análise. In: Fundamentos da clínica psicanalítica. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. (Obras psicológicas incompletas de Sigmund Freud).

IACONELLI, V. Dos confins de uma análise. Stylus: Revista de Psicanálise, Rio de Janeiro: Associação Fóruns do Campo Lacaniano, n. 33, novembro de 2016.

IANNINI, G. Estilo e verdade em Jacques Lacan. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

JERUSALINSKY, J. A criação da criança: brincar, gozo e fala entre a mãe e o bebê. Salvador, BA: Ágalma, 2011.

LACAN, J. (1957). A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In: Escritos. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

______. (1958-1959). O Seminário, livro 6: o desejo e sua interpretação. Rio de Janeiro: Zahar, 2016.

______. (1959-60). O Seminário, livro 7: a ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

______. (1968-69). O Seminário, livro 16: de um outro ao outro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

______. (1971). Lição sobre lituraterra. In: O Seminário, livro 18: de um discurso que não fosse semblante. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

______. (1976). O Seminário, livro 24: L’insu-que-sait de l’une-bévue s’aille a mourre.

MALISKA, M. Do traço ao laço: a escrita na psicanálise como tentativa de fazer do traço real um laço simbólico. In: SIMFOP – SIMPÓSIO SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES, 5, 2013, Santa Catarina. Anais. Disponível em: <http://linguagem.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/eventos/simfop/artigos_v%20sfp/Maurício_Maliska.pdf>.

MOURÃO, A. Père-Version, Perversão ou Infinitização: três saídas possíveis para uma análise. Disponível em: <http://interseccaopsicanalitica.com.br/int-participantes/arlete-moura/pdf/ArleteMourao_PereVersion_Perversao_ou_Infinitizacao.pdf>. 2004.

PINHEIRO, T. Narcisismo, sexualidade e morte. In: CARDOSO, M. Adolescência: reflexões psicanalíticas, 2001.

RAMIREZ, H.; ASSADI, T. A falha, o gesto e o ato (criativo) na entrada em análise.

In: DUNKER, C. I. L. (Org.). A construção de casos clínicos em psicanálise: método clínico e formalização discursiva. São Paulo: Annablume, 2017.

Publicado
06-08-2019
Como Citar
CURADO, B.; LAZZARINI, E. Narrativa em análise. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 41, n. 40, p. 35-47, 6 ago. 2019.
Seção
Artigos Temáticos