Alucinações

índice de adoecimento ou fator de estabilização?

  • Deivison Marques de Oliveira Centro Universitário São Camilo-CUSC. São Paulo, SP, Brasil.
  • Ari Alves de Oliveira Junior Centro Universitário São Camilo-CUSC. São Paulo, SP, Brasil.
Palavras-chave: Alucinação, Psicanálise, Lacan, Jacques-Marie Émile, Psicose

Resumo

Este artigo trata de um estudo de caso de paciente atendido em um serviço de saúde do município de São Paulo (SP). Considerando que o referencial teórico psicanalítico orientou a prática clínica do processo, abordou-se a psicose em termos de estrutura clínica de linguagem, contrariamente à noção de déficit das funções psíquicas. A partir de Freud e Lacan, e suas contribuições ao estudo das psicoses, buscou-se entender quais situações, contextos e elementos intrapsíquicos se associavam à produção dos fenômenos psicóticos, seus efeitos e sua função para o sujeito, em especial no que tange à alucinação. A partir do fragmento do caso clínico, chegou-se à conclusão de que a alucinação fomenta a produção de um discurso singular, tendo uma lógica própria que se engendra a partir da experiência enigmática da psicose, sendo capaz de conduzir o sujeito à estabilização.

Biografia do Autor

Deivison Marques de Oliveira, Centro Universitário São Camilo-CUSC. São Paulo, SP, Brasil.

Graduado em Psicologia pelo Centro Universitário São Camilo-CUSC.

Ari Alves de Oliveira Junior, Centro Universitário São Camilo-CUSC. São Paulo, SP, Brasil.

Psicanalista, psicólogo. Doutorando em Ciências pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo-FMUSP.

Mestre em Ciências pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo-FMUSP.

Professor e supervisor clínico dos cursos de Psicologia do Centro Universitário São Camilo-CUSC.

Tutor acadêmico da Liga de Estudos em Psicanálise e Contemporaneidade do Centro Universitário São Camilo-CUSC.

Referências

CALLIGARIS, C. Introdução a uma clínica diferencial das psicoses. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989. 125 p.

FINK, B. A clinical introduction to Lacanian psychoanalysis: theory and technique. Cambridge: Harvard University Press, 1997. 311 p.

FREUD, S. (1911-1913). O Caso Schreber, artigos sobre a técnica e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 15-89. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 12).

______. (1914-1916). A história do movimento psicanalítico, artigos sobre a metapsicologia e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 165-177. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 14).

GAARDER, J.; HELLERN, V.; NOTAKER, H. O livro das religiões. 7. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. 331 p.

GARCIA-ROZA, L. A. Freud e o inconsciente. 24. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2009. 236 p. GOBBATO, G. G. Transferência: amor ao saber. Ágora, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 103-114, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151614982001000100007&lng=en&nrm=iso> Acesso

em: 08 set. 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-14982001000100007.

GUERRA, A. M. C. et al. A função da obra na estabilização psicótica: análise do caso do Profeta Gentileza. Interações. São Paulo, v. 11, n. 21, p. 29-56, jun. 2006. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141329072006000100003&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 25 ago. 2018.

GUERRA, A. M. C. A psicose. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2010. 88 p. (Coleção PASSO-A-PASSO).

KOENIG, H. G. Religião, espiritualidade e transtornos psicóticos. Rev. psiquiatr. clín., São Paulo, v. 34, supl. 1, p. 95-104, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010160832007000700013&lng=en&nrm=iso>Acesso em: 14 set. 2018.

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832007000700013.

LACAN, J. De uma questão preliminar a todo tratamento possível da psicose. Tradução de Vera Ribeiro. In: ______. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998. 953 p.

______. O Seminário, livro 3: As psicoses. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988. 369 p.

LUSTOZA, R. Z.; CARDOSO, M. J. D. A experiência enigmática na psicose: os fenômenos elementares à luz da teoria do significante. Psicologia Usp, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 135-143, abr. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-656420150127.

MALEVAL, J. C. Lógica del delírio. Barcelona: Ediciones del Serbal, 1998. 278 p. MILLER, J-A. A invenção do delírio. Opção lacaniana: OnLine, São Paulo, n. 1, p. 1-25, 1995. Disponível em: <http://www.opcaolacaniana.com.br/antigos/pdf/artigos/JAMDelir.pdf>. Acesso em: 05 mar. 2019.

QUINET, A. O número um, o único. In: ______. Na mira do outro: a paranoia e seus fenômenos. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos, 2002. p. 11-25.

______. Psicose e laço social: esquizofrenia, paranoia e melancolia. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2010. 237 p.

______. Teoria e clínica da psicose. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. 252 p. (Coleção Campo Teórico).

SOLER, C. O inconsciente a céu aberto da psicose. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2007. 236 p.

Publicado
04-12-2019
Como Citar
OLIVEIRA, D.; JUNIOR, A. Alucinações. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 41, n. 41, p. 207-226, 4 dez. 2019.
Seção
Artigos em Tema Livre