Normas para Apresentação de Artigo


1. CADERNOS DE PSICANÁLISE-CPRJ é um periódico científco ofcial do Círculo Psicanalítico do Rio de Janeiro. Fundado em 1979 (como Boletim Interno, vindo a ter o nome atual em 1994, quando se tornou uma publica-
ção anual), procura agregar artigos relativos a questões temáticas, postas anualmente em debate pelo CPRJ, preservando, contudo, um espaço para temas livres, desde que concernentes ao domínio psicanalítico e suas interfaces. A partir de 2011, volume 33, passou a ser uma publicação semestral, sendo que este volume agrega os dois números do ano, em apenas uma publicação impressa. Já a partir de 2012, os dois números do ano passaram a ser distintos, com previsão de lançamento regular para agosto e dezembro. Os editores de cadernos de Psicanálise-CPRJ entendem que este tipo de publicação deve colocar-se a serviço de uma ética da Psicanálise, seja no sentido da clínica estrito senso ou de sua extensão, acolhendo e enfatizando, assim, o lugar da Psicanálise na
pólis, em sua natureza não partidária; porém, no entanto, sem se furtar a ser um pensamento crítico com relação à cultura.

2. Cadernos de Psicanálise-CPRJ aceita artigo inédito no campo da Psicanálise e que consista em contribuição original e relevante para a pesquisa psicanalítica.

3.
O artigo deve ser enviado à Comissão Editorial pela internet, através do portal da revista – ou seja, para http://cprj.com.br/ojs_cprj/index.php/cprj (documento do Word, como anexo) –, comprometendo-se o(s) autor(es) a não submetê-lo a outros periódicos científicos até o térmico do processo de avaliação e a publicá-lo no Cadernos de Psicanálise-CPRJ, uma vez aprovado.

4.
O arquivo do artigo deve ser acompanhado de outro arquivo que contenha o título e o nome do autor, com sua qualifcação e fliação institucional, endereço (inclusive CEP), telefone (inclusive DDD) e e-mail.

5.
Os membros da Comissão Editorial avaliam a pertinência do artigo à proposta da revista, a adequação às normas de publicação, clareza e correção da linguagem, também levando em conta os demais aprovados.

6. Avaliação por pares
.
Após essa primeira verifcação, o artigo é enviado a pareceristas ad hoc (membros de um Conselho Científco, anualmente esta belecido), de reconhecida competência na área da psicanálise e que têm afnidade com o tema proposto. Estes avaliam o artigo, levando em conta a relevância, a coerência e a correção dos assuntos tratados, assim como a contribuição das referências para a discussão do tema em pauta.

7. Procedimento duplo-cego
.
Os pareceres são emitidos sem que o parecerista conheça a identidade do(s) autor(es). As observações dos pareceristas são encaminhadas ao(s) autor(es), sendo aqueles também mantidos sob sigilo.

8.
Se aprovado com exigências signifcativas de modifcações, o artigo é reenviado para o portal da revista – ou seja, para: http://cprj.com.br/ojs_cprj/index.php/cprj , dentro de novo prazo estipulado pelos editores, sendo novamente revisto por pareceristas.

9.
Se um artigo for bem avaliado pelos pareceristas, considerando o número de artigos aprovados, os membros da Comissão Editorial decidem em qual número da revista aquele deve ser publicado.

10.
A publicação está condicionada à assinatura de autorização para publicação impressa e online, onde deve constar, inclusive, que o artigo é da inteira responsabilidade do(s) autor(es).

11.
O(s) autor(es), cujo artigo for publicado, recebe(m) um exemplar da revista.

12. Formatação
.
      • Folha A4, letra Times New Roman 12, espaço entre linhas 1,5cm;
      • Margens: esquerda 3cm, direita 1,5cm, superior e inferior 2,5cm;
      • Extensão .doc *documento do Word;
      • As páginas devem ser numeradas, admitindo-se no máximo 20;

13
. Estrutura – elementos essenciais.
      • A primeira página deve conter o título do artigo, em português e inglês, Resumo (com no máximo 8 linhas), Palavras-chave, Abstract e Keywordsesta página não está incluída no limite de 20 páginas, antes informado;
      • Não devem ser utilizadas letras caixa-alta, em títulos e subtítulos;
      • Os subtítulos podem ou não estar numerados – desde Introdução até 
Conclusão – com algarismos arábicos;
      • Os títulos de artigos e livros citados, ao longo do texto devem estar em letras itálicas e apenas a primeira letra deve estar em maiúscula. Ex. Luto e melancolia;
      • Não devem constar quaisquer informações que possam identifcar o(s) autor(es);
      • Destaques e palavras estrangeiras devem estar em letras itálicas, assim como expressões latinas. Ex: et al., apud, idem, ibidem;
      • Citações literais, com até 3 linhas, devem estar entre aspas e inseridas no texto, e as com mais de 3 linhas devem constituir um parágrafo independente, com recuo de 4cm da margem esquerda, fonte tamanho 11 e espaço simples entre linhas, dispensando aspas, nesse caso.
      • Menções a autores, no decorrer do artigo, devem subordinar-se à forma (autor, data) ou (autor, data, página). Ex: (FREUD, 1921/1996, p. 125), sendo que o nome do autor deve estar em letras caixa alta;
      • Notas de rodapé com comentários deverão ser indicadas por algarismos arábicos e com tamanho de fonte 10 (Times New Roman);
      • Quadros, gráfcos, fotos ou mapas devem ser apresentados em páginas 
distintas, com indicação dos locais em que devem ser incluídos; devem estar numerados e titulados corretamente e apresentar indicações das fontes à que correspondem;
      • As Referências devem ser elaboradas de acordo com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT (NBR-6023/2002) e inseridas após o texto, em ordem alfabética de sobrenome do autor. Devem ser digitadas em espaço simples entre linhas e espaço de 1,5cm, separando as referências entre si, e devem estar formatadas com alinhamento à esquerda, tamanho de fonte 11.
      • No caso de várias obras de mesma autoria, o nome do autor será substituído por 6 traços underlines, seguidos de ponto.
      • Adotamos algumas adaptações em situações específcas, conforme exemplifcadas em NOTAS, mais adiante.

Em caso de dúvida, consultar:
FRANÇA, Junia Lessa et al. Manual para normalização de publicações técnico-científcas. 7.ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.

Exemplos de Referências.

Um autor (sobrenome em letras ‘caixa alta’ e o título em letras itálicas – o subtítulo não, se houver).
MELMAN, Charles. Retorno a Schreber. Porto Alegre: CMC Editora, 2006.

Dois e/ou três autores (nome dos autores separados por ponto e vírgula).
JABBOUR, Charbelle; Marques, Liliam. Gêmeos: onde está a semelhança? Rio
de Janeiro: Papel e Virtual, 1998.


Mais de três autores (primeiro autor seguido da expressão et al, em itálico).
GREEN, André et al. A pulsão de morte. São Paulo: Escuta, 1988.

Artigo publicado em periódico
(somente o título do periódico deve estar em
itálico).
COSTA, Jurandir Freire. Os amores que não se deixam dizer. Cadernos de Psicanálise-CPRJ, Rio de Janeiro, ano 13, n. 7, p. 57-69, 1991.

Dissertação e/ou tese
.
DA POIAN, Stella Maris, A. O prazer e o simbólico na constituição do sujeito: uma análise do jogo. 1979. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Instituto de Psicologia, PUC-Rio, 1979.

Compilador, Coordenador, Editor, Organizador (Comp.), (Ed.), (Org.)
.
JUNQUEIRA FILHO, Luiz C. V. (Org.) Corpo-mente: uma fronteira móvel. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1995. 

Trabalho apresentado em Evento.
SAFRA, Gilberto. Intimidade e processo maturacional. In: ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE PENSAMENTO DE D. W. WINNICOTT, 9, 2000, Rio de Janeiro. Anais..., 2000.

D
ocumentos em formato eletrônico.
LANNES, Edson Soares.
Na fronteira do viver. Disponível em: < (site) www.
.....................>. Acesso em: ......(data)..............

Artigo de livro
.
BIRMAN, Joel. Uma dívida impagável. In: ARAÚJO, M.C. de; MAYA, M.C.B.B. (Org.). Neurose obsessiva. Rio de Janeiro: Letter, 1992. p. 49-106.
FERENCZI, Sándor (1928). Elasticidade da técnica psicanalítica. São Paulo: Martins Fontes, 1992. p. 25-36. (Obras completas Sándor Ferenczi, 4).
WINNICOTT, Donald Woods (1945). Desenvolvimento emocional primitivo. In: ______.
Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000. p. 218-232.
FREUD, Sigmund (1950[1895]). Projeto para uma psicologia científca. Rio de Janeiro: Imago, 1977. p. 395-452. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 1).
______. (1920). Além do princípio do prazer. Rio de Janeiro: Imago, 1969. p. 17-85. (ESB, 18).

NOTAS:

1. Nos artigos de Freud, seguimos um padrão especial de referência, conforme exemplifcado acima. Apenas no primeiro item, deve constar o tí
tulo da coleção por extenso.

2. No caso dos artigos de Freud e de outros autores psicanalistas com obra 
extensa, colocar o ano da primeira publicação do artigo, em seguida ao
nome do autor. Ex:

FERENCZI, Sándor (1928). Elasticidade da técnica psicanalítica. São Paulo: Martins Fontes, 1992. p. 25-36. (Obras completas Sándor Ferenczi, 4).

Abreviaturas latinas (em itálico)
.
ibidem ou ibid. = na mesma obra.
idem ou id = do mesmo autor (quando se trata de diferentes obras do mesmo autor).
op. cit. = na obra citada.
apud = citado por, conforme, segundo.
loc. cit. = mesma página de uma obra já citada (no lugar citado).
et seq. = para não serem mencionadas todas as páginas da obra referenciada (intervalo entre páginas).