A violência psicológica na mulher sob a luz da psicanálise

um estudo de caso

  • Esther de Sena Ferreira
  • Leonardo José Barreira Danziato Universidade de Fortaleza - Unifor, Fortaleza, CE
Palavras-chave: Violência doméstica contra a mulher, Feminilidade, Sexualidade feminina, Psicanálise

Resumo

O presente artigo apresenta a discussão e os resultados de uma pesquisa sobre a questão da violência sobre a mulher, seus efeitos subjetivos, mas muito especialmente buscamos investigar os motivos que determinam com que algumas mulheres permaneçam em relações conjugais nas quais vivenciam a violência psicológica. A pesquisa ocorreu no Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Fortaleza/CE no período de fevereiro a março de 2017, onde pudemos desenvolver estudos de casos, que nos permitiram discutir a amplitude do fenômeno da violência e seus desdobramentos. Neste estudo, apresentamos um dos casos desenvolvidos na pesquisa, intitulado “Ana”, para a partir dele desenvolvermos nossas proposições. Utilizamo-nos das contribuições de Freud e Lacan a respeito da sexualidade feminina, feminilidade e a escolha do objeto amoroso na mulher. O estranhamento que nos convoca ao trabalho de pesquisa é a constatação de que ainda algumas mulheres permanecem nessas relações, onde vivenciam a violência por parte do parceiro, mesmo podendo lançar mão de mecanismos legais e assistenciais que dão suporte jurídico e psicológico a essas mulheres.

Biografia do Autor

Esther de Sena Ferreira

Mestre em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade de Fortaleza (Unifor), Fortaleza, CE, Brasil.

Leonardo José Barreira Danziato, Universidade de Fortaleza - Unifor, Fortaleza, CE

Doutor em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor titular de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade de Fortaleza (Unifor), Fortaleza, CE, Brasil.

Referências

CARDOSO, J. As personagens femininas em Dorotéia, peça de Nelson Rodrigues. MOARA - Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Letras, v. 2, n. 20, p. 147-155, 2016.
FREUD, S. (1905). Os três ensaios sobre a teoria da sexualidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Obras completas, 6).
______. (1914). Introdução ao narcisismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Obras completas, 12).
______. (1919). “Batem numa criança”: contribuição ao conhecimento da gênese das perversões sexuais. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Obras completas, 14).
______. (1920). Além do princípio do prazer. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Obras Completas, 14).
______. (1924). A dissolução do complexo de Édipo. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Obras completas, 16).
______. (1931). Sobre a sexualidade feminina. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Obras completas, 18).
______. (1933). Feminilidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Obras completas, 18).
LACAN, J. (1958). A significação do falo. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.
______. (1960). Diretrizes para um congresso sobre a sexualidade feminina. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.
______. Observação sobre o relatório de Daniel Lagache: psicanálise e estrutura de personalidade. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.
LAURENT, D. O sujeito e seus parceiros libidinais: do fantasma ao sinthoma. Revista eletrônica do núcleo Sephora, Rio de Janeiro, ano1, n. 2, mai.-out., 2006.
LAURENT, E. As paixões do ser. Salvador: Instituto de Psicanálise da Bahia & Escola Brasileira de Psicanálise, 2000.
MAURO, A. del. Compulsão à repetição: aliada da pulsão de morte (e) ou da simbolização?. 2015. Dissertação (Mestrado). Instituto de Terapias Integradas de Porto Alegre, Porto Alegre, Rio Grande do Sul. 2015.
SOLER, C. O que Lacan dizia das mulheres. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.
Publicado
07-08-2019
Como Citar
FERREIRA, E.; DANZIATO, L. A violência psicológica na mulher sob a luz da psicanálise. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 41, n. 40, p. 149-168, 7 ago. 2019.
Seção
Artigos em Tema Livre