O laço social e o sujeito paralisado pela tetraplegia

  • Patrícia Rosa Balestrin Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Porto Alegre, RS
  • Simone Zanon Moschen Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Porto Alegre, RS
Palavras-chave: Psicanálise, Tetraplegia, Corpo, Trauma, Desejo, Laço social

Resumo

Este trabalho realiza uma articulação entre trauma e desejo a partir da escuta de pacientes tetraplégicos que sofreram eventos traumáticos e precisaram encontrar na nova configuração de seu cotidiano algo que lhes possibilitasse se recolocar na vida (re)enlaçando-a ao desejo. São tecidos conceitos da psicanálise freudo-lacaniana a elementos advindos de dois filmes, bem como de fragmentos da escuta de dois casos de tetraplegia, acompanhados desde o acometimento pelo “acidente”, no contexto hospitalar, dando continuidade até a ida para casa e a vivência do enfrentamento das dificuldades acarretadas por essa contingência sofrida no corpo.

Biografia do Autor

Patrícia Rosa Balestrin, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Porto Alegre, RS

Psicóloga, psicanalista. Doutora em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Psicanálise, Educação e Cultura (NUPPEC) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Simone Zanon Moschen, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Porto Alegre, RS

Psicanalista. Professora do Programa de Pós-Graduação Psicanálise, Clínica e Cultura e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Coordenadora do Núcleo de Pesquisa em Psicanálise, Educação e Cultura (NUPPEC) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre (APPOA), Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

ALMEIDA, D.; MILANO, J. Atenção primária e manejo da lesão na fase aguda: choque medular. In: VALL, J. (Org.). Lesão medular: reabilitação e qualidade de vida. São Paulo: Atheneu, 2013. p. 13-23.
BAUBY, J. O escafandro e a borboleta. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.
BETTS, J. Desamparo e vulnerabilidades no laço social: a função do psicanalista. Desamparo e vulnerabilidades. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, n. 45-46, p. 9-19, 2014.
BRASIL. Lei nº. 13.146, de 6 de jul. de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2018.
______. Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência: protocolo facultativo à Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência: decreto legislativo nº 186, de 09 de julho de 2008: decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Brasília, 2011. 100 p. Disponível em: . Acesso em: 31 mar. 2019.
FREUD, S. A interpretação de sonhos (1900). Rio de Janeiro: Imago, 1972. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 4 e 5).
______. Sobre os sonhos (1901). Rio de Janeiro: Imago ,1972. p. 667-725. (ESB, 5).
______. Além do princípio do prazer (1920). In: ______. História de uma neurose infantil (“O homem dos lobos”), Além do princípio do prazer e outros textos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 161-239. (Obras completas, 14).
______. Psicologia das massas e análise do eu (1921). In: ______. Psicologia das massas e análise do eu e outros textos. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. p. 13-113. (Obras Completas, 15).
______. O humor (1927). In: ______. Inibição, sintoma e angústia, o futuro de uma ilusão e outros textos. São Paulo: Companhia das Letras, 2014. p. 332-330. (Obras Completas, 17).
JORGE, M. A. C. Discurso médico e discurso psicanalítico. Apresentação da edição brasileira. In: CLAVREUL, J. A ordem médica. Poder e impotência do discurso médico. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983. p. 7-28.
______. Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan, v. 2: a clínica da fantasia. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.
LACAN, J. O desejo e sua interpretação (1958-1959). Publicação de circulação interna da Associação Psicanalítica de Porto Alegre. Porto Alegre: APPOA, 2002.
______. O seminário, livro 2: O eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise (1954-1955). Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1985.
______. O seminário, livro 7: A ética da psicanálise (1959-1960). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.
______. O seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (1964). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.
MAR adentro. Direção de Alejandro Amenábar. Espanha, Itália, França: Fox Vídeo Brasil, 2005. DVD (125 min.).
O ESCAFANDRO e a borboleta. Le scaphandre et le papillon. Direção de Julian Schnabel. França, Estados Unidos: Europa Filmes, 2007. DVD (112 min.).
RASSIAL, J. J. Cultura como conceito psicanalítico. Textura – Revista de Psicanálise, ano 6, n. 6. Publicação das Reuniões Psicanalíticas. São Paulo, 2006. p. 32-34.
RUDGE, A. M. Sonhos traumáticos na clínica psicanalítica. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 19(4), p. 603-615, 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2018.
SAMPEDRO, R. Cartas do inferno (com prólogo de Alejandro Amenábar). São Paulo: Planeta do Brasil, 2005.
TRAQUEOSTOMIA: quando é necessária? Como é feita? Ela pode ser revertida? Como funciona? AbcMed. 2017. Disponível em: Acesso em: 23 abr. 2018.
Publicado
07-08-2019
Como Citar
BALESTRIN, P.; MOSCHEN, S. O laço social e o sujeito paralisado pela tetraplegia. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 41, n. 40, p. 203-223, 7 ago. 2019.
Seção
Artigos em Tema Livre