A virtualidade do dispositivo de trabalho psicanalítico e o atendimento remoto

uma reflexão em três partes

  • Luís Claudio Figueiredo Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-PUC-SP, São Paulo, SP
Palavras-chave: Dispositivo psicanalítico, Virtualidade, Atendimento remoto, Enquadre interior, Transferências

Resumo

O texto contém uma reflexão acerca do dispositivo de trabalho psicanalítico, enfatizando sua dimensão virtual e propondo algumas ideias sobre como a situação analisante é afetada nos atendimentos remotos. Na primeira parte, o foco é no próprio psicanalisar; na segunda, o foco é na constituição do dispositivo a partir da disposição de mente do analista, seu “enquadre interior”; a terceira focaliza as transferências do analisando e suas participações na criação do dispositivo psicanalítico.

Biografia do Autor

Luís Claudio Figueiredo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-PUC-SP, São Paulo, SP

Psicanalista. Membro efetivo do Círculo Psicanalítico do Rio de Janeiro (CPRJ). Professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-PUC-SP. São Paulo, SP, Brasil.

Referências

AB’SÁBER, T. A clínica aberta, o analista grupo e suas transferências. In: Saúde e loucura, 10. São Paulo: Hucitec Editora, 2019.

BARANGER, W.; BARANGER, M. La situación analítica como campo dinâmico. Revista Uruguaya de Psicoanálisis, 4, p. 3-54, 1961-1962.

BION, W. R. Attention and interpretation. A scientific approach to insight in psychoanalysis and groups. London: Tavistock Publications, 1970.

CAPER, R. Tendo mente própria. Rio de Janeiro: Imago, 1999.

______. Bion and thoughts too deep for words. London/NY: Routledge, 2020.

COELHO JUNIOR, N. E.; FIGUEIREDO, L. C. Patterns of intersubjectivity in the constitution of subjectivity: dimensions of otherness. Culture & Psychology, 2003.

FERENCZI, S. A elasticidade da técnica. São Paulo: Martins Fontes, 1928. (Obras completas, 4).

FIGUEIREDO, L. C. Transferência, contratransferência e outras coisinhas mais. Psicanálise: elementos para a clínica contemporânea. São Paulo: Escuta, 2003.

______. Presença, implicação e reserva. In: FIGUEIREDO, L. C.; COELHO JÚNIOR, N. E. Ética e técnica em psicanálise. 2. ed. São Paulo: Escuta, 2008.

______. Escutas em análise. Escutas poéticas. Revista Brasileira de Psicanálise, 48, p. 123-137, 2014.

______. Figuras da sedução em análise: a vitalização necessária. Percurso, 63, p. 51-60, 2019,

FIGUEIREDO, L. C. e COELHO JÚNIOR, N. E. Adoecimentos psíquicos e estratégias de cura. São Paulo: Blucher, 2018.

FREUD, S. (1900). A interpretação dos sonhos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Obras completas, 4).

______. (1914). Contribuição à história do movimento psicanalítico. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Obras completas, 11).

______. (1923). Dois artigos para a enciclopédia: psicanálise e teoria da libido? São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Obras completas, 15).

GREEN, A. Narcisismo primário: Estado ou estrutura. In: Narcisismo de vida e narcisismo de morte. São Paulo: Escuta, 1967.

______. Le langage dans la psychanalyse. Langages, 1984.

______. O trabalho do negativo. Porto Alegre: Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre, 1993.

______. Idées directrices pour la psychanalyse contemporaine. Paris: Ed. Presse Universitaire de France, 2002.

______. La pensée clinique. Paris: Odile Jacob, 2002a.

GROTSTEIN, J. A beam of intense darkness: Wilfred Bion’s legacy to psychoanalysis. London/NY: Routledge, 2007.

PONTALIS, J-B. Força de atração. Rio de Janeiro: Zahar, 1990.

WINNICOTT, D. W. Metapsychological and clinical aspects of regression within the psychoanalytical Set-Up. Through Paediatrics to Psycho-Analysis, 1954.

______. Os objetivos do tratamento psicanalítico. In: O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1962.

______. O brincar e a realidade. São Paulo: Ubu, 1971.

Publicado
05-08-2020
Como Citar
FIGUEIREDO, L. A virtualidade do dispositivo de trabalho psicanalítico e o atendimento remoto. Cadernos de Psicanálise (CPRJ), v. 42, n. 42, p. 61-80, 5 ago. 2020.